Valdir Aguilera
 Físico e pesquisador

 

 

Regrinhas para escrever bem

Valdir Aguilera

Conteúdo:

1. Considerações iniciais
2. A vírgula
3. Redundância e pleonasmo
4. Sentenças longas
5. Mais sobre o uso da vírgula
6. Acentuação gráfica - I
7. Acentuação gráfica - II
8. Homógrafas-heterofônicas
9. Comentário

1. Considerações iniciais

Como participante do grupo Racionalismo da Yahoo, temos oportunidade de receber muitos emails (o grupo tem hoje – fevereiro de 2009 – mais de mil e duzentos inscritos). Entre os emails há alguns que poderiam ter sido mais bem escritos. Ocorreu-nos, então, sugerir algumas regrinhas que podem ajudar os interessados a melhorar sua redação e tornar o texto mais agradável de se ler.

Este texto e as regras que discutiremos obedecem acordo ortográfico recentemente adotado por quase todos os países onde se fala português.

Para baixar o texto em formato DOC, do Word, queira cliclar AQUI.

1.1 NÃO ESCREVER TEXTOS APENAS COM LETRAS MAIÚSCULAS, COMO ESTE. Elas cansam o leitor e alguns têm dificuldades para ler tais textos.

1.2 Não colocar um espaço antes de uma pontuação (vírgula, ponto-e-vírgula, ponto final,...).
Exemplo:
Errado: Foi esta a lista de objetos encontrados : lápis , caneta , borracha .
Certo: Foi esta a lista de objetos encontrados: lápis, caneta, borracha.

1.3 Sempre colocar um espaço depois de uma pontuação.
Exemplo:
Errado: Aquela escola oferecia cursos de português,inglês,espanhol e esperanto.Era considerada muito boa.
Certo: Aquela escola oferecia cursos de português, inglês, espanhol e esperanto. Era considerada muito boa.

1.4 No início de uma frase e depois de um ponto final, a palavra deve ser grafada com letra inicial maiúscula.
Exemplo:
Errado: a festa estava ótima. esperemos que não tarde para haver outra.
Certo: A festa estava ótima. Esperemos que não tarde para haver outra.

1.5 Nomes próprios devem ser escritos com inicial maiúscula.
Exemplo:
Errado: maria de fátima, são paulo, brasil.
Certo: Maria de Fátima, São Paulo, Brasil.

2. A vírgula

Esse assunto pode ser extenso, mas vamos nos limitar aos aspectos mais elementares.

2.1 O papel mais elementar desse sinal gráfico de pontuação é o de separador, isto é, a vírgula é usada para separar objetos em uma lista.
Exemplo:
Maria foi ao mercado e comprou laranja, banana, pera e outras frutas. (Lembre-se de que, ao preparar um texto, após a vírgula vem um espaço. Ver seção 1.)

2.2 Também pode ser usada para inserir algum texto explicativo ou de outra natureza, fazendo um papel parecido com o dos parênteses. Nesta função, sempre há um par de vírgulas: uma no começo da inserção e outra no final (como no caso dos parênteses).
Exemplo:
Carlos, o jogador principal do time, estava com dores nos braços.

2.3 Erro grave muito difundido: separar o sujeito do verbo.
Exemplo:
Errado: Todos os dias João, ia correr pelos campos.
Certo: Todos os dias João ia correr pelos campos.
Mas, é correto: Todos os dias João, o vizinho da Maria, ia correr pelos campos. Neste caso, as vírgulas estão desempenhando o papel descrito no item 2.2 acima.

Veja mais sobre este tema na Seção 5.

3. Redundância e pleonasmo

Redundância, ou tautologia, consiste na repetição de uma ideia, com palavras diferentes, mas com o mesmo sentido. Deve ser evitada.

O pleonasmo é uma figura de linguagem, e consiste no emprego redundante de palavras, ou por um vício ou para enfatizar a expressão. Deve ser evitado exceto se for usado para reforçar o que se pretende dizer.

Exemplos que devem ser evitados, por serem redundância que nada acrescentam:

acabamento final (se é acabamento, é final);
amanhecer o dia (você já viu amanhecer a noite?);
anexo junto a esta carta (você conseguiria anexar separadamente?);
comparecer pessoalmente (você já viu alguém comparecer por correspondência?);
conviver junto (você pode imaginar duas pessoas convivendo separadamente?);
copo mais cheio do que outro (ou está cheio ou não está);
criação nova (se não é nova, não pode ser criação.);
descer para baixo ( gostaria de ver alguém descendo para cima.);
detalhes minuciosos (se não são minuciosos não são detalhes.);
dividir em duas metades iguais (basta dizer duas metades; se não forem iguais não serão metades.) ;
elo de ligação (elo só pode ser de ligação);
empréstimo temporário (bem que muitos gostariam de um empréstimo permanente!);
encarar de frente (só se tiver um olho na nuca para poder encarar de trás.) ;
entrar para dentro (como seria entrar para fora?);
fato real (se é fato, é real);
gritar alto (gritar baixinho deve ser difícil);
há anos atrás ('há anos' já indica passado.);
monocultura exclusiva de ... (se é monocultura, tem de ser exclusiva);
multidão de pessoas (você já viu uma multidão de gatos?);
subir para cima (poderia ser para baixo?);
surpresa inesperada (se for esperada, não será surpresa);
vereador da cidade (vereador tem de ser de uma cidade).

4. Sentenças longas

Evite escrever sentenças longas. Sentenças longas e com pontuação deficiente trazem obscuridade e desconforto aos leitores. Veja este exemplo para entender a razão da regrinha:

João sempre foi um colaborador incansável que alargou seus conhecimentos e acumulou experiências com José na bela cidade de Oiticica que visitou várias vezes ao longo dos últimos anos e onde acabou conhecendo Maria hoje trabalhando em outra cidade, e também Josefina e Antonieta, vindo a se encontrar mais tarde com Antunes em Pântano Largo com quem colaborou para a criação naquela cidade da empresa comercial Secos & Molhados que recebia produtos de toda a região e mesmo do exterior, empresa essa que teve notável progresso devido principalmente ao bom direcionamento que deu aos negócios e à forma honesta de tratar os fregueses reconhecida e elogiada por todos dedicou-se muito a essa empresa mas por compromissos profissionais teve de se mudar para Laranjal onde demonstrou mais uma vez seu espírito empreendedor fundando uma associação local destinada a plantação de batatas e que logo se viu crescendo com um número de associados cada vez maior.

5. Mais sobre o uso da vírgula

Aprendemos, na escola, que a vírgula serve para separar os elementos de uma lista. Por exemplo: No supermercado encontramos frutas diversas como bananas, laranjas, abacates, melões e abacaxis. Outro exemplo na mesma linha: Na festa do João havia muita gente, doces e salgados à vontade, muitas pessoas dançando, grupos em conversas animadas e garotos fazendo suas estrepolias.

Contudo, esse aparentemente insignificante sinal gráfico, desempenha outros papéis em frases, além do de separação. Alguns de importância vital para o entendimento correto do texto. Eis um exemplo retirado de uma edição recente de um jornal de grande circulação: O rapaz usou o carro que o pai lhe deu para roubar o banco. A interpretação imediata do texto é esta: O pai deu ao filho um carro para roubar o banco. Que pai desnaturado, não é verdade?! Pensaríamos de forma diferente se o autor da frase não tivesse economizado vírgulas e tivesse escrito: O rapaz usou o carro, que o pai lhe deu, para roubar o banco. Aqui, a vírgula foi usada para separar elementos dentro de uma frase, dando ao texto um sentido diferente.

Um erro muito frequente é usar uma vírgula separando o sujeito do verbo. Por exemplo: Carlos sempre apressado, acabou escorregando e caindo. O certo é: Carlos sempre apressado acabou escorregando e caindo.

Ou, melhor ainda, Carlos, sempre apressado, acabou escorregando e caindo. Perguntarão alguns: Neste caso, o sujeito (Carlos) não ficou separado do verbo? A resposta é sim e não. Sim, porque ficou distante do verbo; não, porque em casos semelhantes as vírgulas "se anulam", portanto não estão separando o sujeito do verbo. Este papel das vírgulas é semelhante ao dos parênteses, quando os abrimos e fechamos para introduzir algum elemento numa frase. Compare com o exemplo acima em que um pai deu um carro para o filho.

Teste: No corpo desta Seção há um erro proposital. Você o encontrou?

6. Acentuação gráfica - I

Apresentaremos as regras mais simples, pois não pretendemos escrever um tratado sobre o assunto. Nosso objetivo maior neste texto é apresentar aspectos mais básicos da gramática, mas igualmente importantes para evitarmos erros elementares. Quem tiver interesse em se aprofundar no assunto deve consultar uma gramática.

Iniciemos recordando que as palavras podem ser classificadas de acordo com a localização da sílaba mais forte (sílaba tônica). Se esta for a antepenúltima, a palavra se diz proparoxítona; se a sílaba mais forte for a penúltima, a palavra se diz paroxítona; e oxítona se a sílaba mais forte for a última. Exemplos:

proparoxítonas: médico, gráfico, estatística, cômodo, elétrico;

paroxítonas: casa, caderno, momento, almanaque, saudades;

oxítonas: gostar, você, José, papel, barril.

Passemos para as regras de acentuação e comecemos com a mais simples:

6.1 Todas as palavras proparoxítonas devem receber acento gráfico. Exemplos: matemática, próximo, autêntico, América, capítulo.

Em seguida, em ordem de simplicidade, vêm as palavras oxítonas.

6.2 São acentuadas as palavras oxítonas terminadas em a, e ou o, seguidas ou não de 's'. Exemplos: araçá, jacás, vatapá, sapé, cafuné, picolés, vovó, cipó, mocotós, Petrobrás.

Exercícios:

1. Procure no corpo deste texto algumas palavras proparoxítonas e veja se foram acentuadas.
2. Encontre as palavras que devem ser acentuadas: Jaco, urubu, saci, hora, frances, arapuca, lambari, caqui, fiel, espirito.
3. Por que têm acento gráfico as seguintes palavras: tópico, jacaré, bisavô, último, jacarandá?
4. Por que não têm acento gráfico as seguintes palavras: aqui, caracu, frenesi, ali?

6.3 Vimos que as palavras oxítonas terminadas em a, e, o recebem acento gráfico, agudo se a vogal for aberta (café, picolé, vovó, cipó); circunflexo se a vogal for fechada (ateliê, você, vovô, cachepô).

Seguem a mesma regra as palavras compostas de um verbo no infinitivo seguido de um pronome. Exemplos: contá-los, vendê-la, compô-lo.

Também recebem acento gráfico as palavras oxítonas terminadas em em ou ens (se tiverem duas ou mais sílabas). Exemplos: porém, também, parabéns.

Exercício: quais destas palavras recebem acento gráfico e por que: sofa, vintem, urubu, cita-la, ha, refens, bens, dize-lo?

7. Acentuação gráfica - II

Vamos tratar das palavras paroxítonas, isto é, daquelas cuja sílaba mais forte é a penúltima. (Ver Seção 6.)

7.1 Recebem acento gráfico as palavras paroxítonas terminadas em i, is, us, um, uns. Exemplos: júri, táxi, tênis, grátis, Vênus, vírus, álbum, médium, álbuns, médiuns.

7.2 Também devem receber acento gráfico as palavras paroxítonas terminadas em r, x, n, l. Para guardar estas letras, lembre-se da palavra rouxinol. Exemplos: ágil, fácil, éden, hífen, açúcar, caráter, fênix, tórax.

7.3 Como última regrinha que selecionamos, temos aquela que diz que recebem acento gráfico as palavras paroxítonas terminadas em ância, ência, ôncio. Exemplos: elegância, tolerância, influência, resistência, estrôncio.

Exercício: Quais destas palavras devem receber acento gráfico: abundancia, amavel, almanaque, biquini, bonus, cadaver, caderno, cama, casamento, competencia, complemento, consul, estancia, exuberancia, frequencia, garrafa, juri, lapis, livro, movel, oasis, onibus, operante, polen, recurso, revista, revolver, substancia, voluvel?

8. Homógrafas-heterofônicas

Nas seções anteriores, apresentamos as regras mais simples de acentuação gráfica e indicamos algumas gramáticas para um estudo mais completo. Hoje vamos falar de uma regra que há muito tempo não mais existe, mas algumas pessoas, erradamente, ainda a usam. Estamos nos referindo à acentuação gráfica de palavras homógrafas-heterofônicas.

Não se deixe intimidar por este conceito aparentemente complexo. Vamos examiná-lo com detalhe para poder apreciar sua simplicidade: duas palavras são homógrafas-heterofônicas quando têm a mesma (homo) grafia, mas pronúncia (fonia) diferente (hetero).

Exemplos:

peso (substantivo, pronuncia-se 'pêso') e peso (do verbo pesar, pronuncia-se 'péso');
força (substantivo, pronuncia-se 'fôrça') e força (do verbo forçar, pronuncia-se 'fórça');
dele (pronome, pronuncia-se 'dêle') e dele (do verbo delir, pronuncia-se 'déle');
modelo (substantivo, pronuncia-se 'modêlo') e modelo (do verbo modelar, pronuncia-se 'modélo');
deste (pronome, pronuncia-se 'dêste') e deste (do verbo dar, pronuncia-se 'déste').

Há muito tempo que não mais se acentuam graficamente esse tipo de palavras. Uma das raras exceções é 'pode' (presente do indicativo do verbo poder, pronuncia-se 'póde') e 'pôde' (pretérido perfeito do mesmo verbo, pronuncia-se 'pôde'.

9. Comentário

As regrinhas apresentadas são as mais simples. Para um estudo mais completo, deve-se consultar uma gramática. Nenhuma das regras que apresentamos foi alterada pela nova reforma ortográfica já em vigor.

Dentre outras, as seguintes gramáticas podem ser consultadas por quem quiser se aprofundar neste estudo:

ANDRÉ, Hildebrando A. de. Gramática ilustrada. São Paulo: Moderna.
BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática portuguesa. Rio de Janeiro: Lucerna.
CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática. São Paulo: Editora Nacional.
CUNHA, Celso. Gramática moderna. Belo Horizonte: Editora Bernardo Álvares.


 

De Título para "Biblioteca"

Copyright©2008 valdiraguilera.net. All Rights Reserved